sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

As flores voam e voltam noutra estação.


Ciranda Mourisca, primeiro CD da carreira de Alceu Valença a ser produzido pela Biscoito Fino, reúne doze músicas (todas autorais), incluidas nas canções "Lado B" numa carreira de 35 anos.

A partir de "Ciranda da Rosa Vermelha", de sua autoria com gravação feita por Elba Ramalho, foi montado um repertório de clima leve, sonoridade mistica e poética, com canções antigas que foram assumindo conceitos de cirandas praieiras, tais como: Pétalas, Amor que vai, Maracajá (compostas para o disco “Maracatu, Batuques e Ladeiras”, de 1994); Dia Branco, Molhado de suor, Mensageira dos anjos, Dente de Oriente (do LP “Molhado de suor”, 1974); Chuva de Cajus, Sino de Ouro (de “Estação da Luz”, 1985), Íris (“Leque Moleque”, 1987), Loa de Lisboa (Andar, Andar, 1990).

Alceu Valença é um poeta de fórmula própria, contrastes tradicionais e pós-modernos, que jamais deixou sua música descaracterizar-se. Depois de verões entre flores, borboletas e as cores vivas da estação, a doce bailarina de vestido azul sobe ou desce as ladeiras com uma melodia mediterranea, romantica e literária, direto para o Ciranda Mourisco.


"A ciranda ficou em mim por causa das namoradas que arranjei nela. Ficou em mim a brisa que soprava do Atlântico na Ilha de Itamaracá, ficou em mim o balançar dos coqueiros, ficaram em mim as saias rendadas das cirandeiras" - Alceu Valença, cantor e compositor

Um comentário:

O Som e o Sentido disse...

Simples e envolvente, consigo sentir o cheiro do mar e ouvir o balançar dos coqueiros só de ler o release. Aguardo ansiosa pelo lançamento do cd!